domingo, 16 de março de 2014

Tubo 5: Motivos para "desmitificar" os e-readers



por Tati Batista



Nós leitores encaramos com um olhar saudosista nossos livros nesses tempos de e-books. E entre diversos motivos, o mais intimador, é o medo do fim dos livros impressos. Principalmente quando nos lembramos dos casos das mídias digitais. Sinceramente, não acredito muito nessa hipótese – e acho que vocês também não – mas, sempre bate aquele medinho.         
E, antes que vocês me acusem de heresia literária e me levem a fogueira, para a segunda coluna do Tubo 5, por que não apresentar o TOP FIVE do leitor digital? Para tentar dissipar um pouquinho da desconfiança do mundo literário com essa, relativamente, nova plataforma de leitura.
              Admito que eu também demorei um determinado tempo refletindo sobre o assunto. Afinal, como poderia ler um livro sem estar com o próprio livro em mãos? A simples menção disso me parecia assustadora! Até que, depois de muita pesquisa – oi Google! – e preparo psicológico eu resolvi adquirir um... E fui surpreendida!

Por isso, apresento os motivos para “desmitificar” os e-readers

  • Facilidade
Sempre carrego um livro – mesmo quando sei que não vou ter tempo de ler, mas é um hábito sabe? Sinto-me mais segura com ele ali, perto de mim! – e o e-reader permite que eu leve vários, com o peso de um único. No dia a dia e nas viagens! – nunca mais malas pesadas de livros.
  • Sem brilho
Enquanto que os smartphones, tablets etc. funcionam a partir da emissão de uma luz de baixa intensidade, os e-readers utilizam uma tinta magnética denominada e-ink, isto é, uma tinta eletrônica. Segundo a empresa eink.com, o papel eletrônico é constituído por milhões de microcápsulas com o diâmetro de um fio de cabelo humano. Cada cápsula é positivamente carregada com partículas brancas e negativamente carregada com partículas pretas suspensas em um fluído claro. Quando um campo elétrico positivo ou negativo é aplicado, partículas de cor correspondentes movem-se para cima, tornando-se visíveis e assim formando as imagens em tela. Ou seja, enquanto o LCD emite luz, o e-ink, assim como o próprio papel, reflete a luz do ambiente para formar as imagens*. Portanto, não cansa nossos olhos e tem boa resolução. 
Algumas versões mais completas desses aparelhos, ainda possuem uma luz de leitura noturna – feliz serão os nossos maridos/esposas/companheiros(as) de quarto que nunca mais precisarão dormir com a luz acesa!
  • Mais espaço na estante
Para os aficionados e amantes dos livros, fica cada vez mais difícil encontrar espaço para os queridinhos – vulgo, livros. Logo, eles ocupam todas as estantes, invadem outros cômodos e se integram na decoração, tomando conta da casa. E ai é aquela tristeza. Se desfazer de uns, trocar e doar outros. A vantagem dos livros digitais não ocuparem espaço em nossas casas, tem se tornado cada vez mais atraente - especialmente nos tempos em que as pessoas têm optado por morar em apErtamentos. Não deixarei de comprar livros, mas, agora, terei mais espaço para aqueles que, simplesmente ficam sendo lindos na minha estante.
  • Livros mais baratos
Os e-books são, normalmente, de 20 a 30% mais baratos que os livros. Ou seja, em média a cada quatro e-books comprados, podemos comprar mais um com a economia – Yeeah, mais livros! Além da facilidade e rapidez da compra on-line, o que pode ser um motivo de felicidade para os leitores ávidos de plantão que poderão comprar qualquer título em plena madrugada. É o mundo moderno conspirando contra nosso limite no cartão de crédito.Vale dizer que, de vez em quando, a Amazon (do Kindle) oferece livros completos gratuitamente (sem pirataria!), e para quem lê em outros idiomas, esta mesma empresa oferece e-books por menos de 1 dólar (!!).
  • Lançamentos
Para captar novos leitores digitais – ou por um motivo econômico mesmo – as editoras estão lançando primeiro os e-books. Exemplo disso foi o anúncio da Editora Rocco (no dia 10/03/14), sobre a publicação de “Doctor Who – 11 Doutores, 11 Histórias”, sendo que as duas primeiras histórias serão publicadas em e-book agora em março. Enquanto a coletânea completa chega às prateleiras somente no segundo semestre desse ano.
Com todas essas facilidades, na compra e na entrega, os ansiosos – como eu! – podem comemorar e se deixar levar pela nostalgia dos velhos tempos em que era preciso esperar a entrega dos livros pelo correio...



* As informações a respeito do funcionamento da tinta magnética eletrônica, e-ink, foram reproduzidas a partir do site Revolução e-book. Para mais informações, leia a matéria completa aqui.
 
Notas
Obs.¹ Existem no mercado, diversos tipos de leitores digitais e várias marcas ( Kindle, Sony, Nook etc.), entretanto, para fins de parâmetros para a coluna, foi utilizado o Kobo, comercializado pela Livraria Cultura.
Obs.² Este post não é um publieditorial. Todas as marcas e editoras foram citadas apenas com a finalidade fornecer informações.
Obs.³ A coluna não pretende estimular a compra dos e-readers e, muito menos, fazer propaganda de uma marca específica, tem como finalidade apenas “desmitificar” de uma forma descontraída a visão desse produto em questão. O Kobo foi utilizado como parâmetro por ser o leitor digital que eu possuo. Entretanto, como dito anteriormente, o mercado oferece diversas opções.

3 comentários:

Mee disse...

Gostei meninas do primeiro post! :)

Tatiana Batista disse...

êê! =D

Priscilla Fernandes disse...

sempre achei que apesar de ser super tecnológica, nunca iria aderir à leitura digital.
Depois que comprei meu tablet, minha concepção mudou completamente.
Sou muito feliz com as aplicações do Kindle e Kobo que posso manter, além de outros leitores...

Até minha mãe aderir ao Kindle e está amando! :)

Muito bom esse texto, Tati!